Reconstrução de Mama

É o nome dado a um grupo de cirurgias que visa a reparação de uma mama, total ou parcialmente.

A necessidade da reconstrução de mama pode ser decorrente de: má formação congênita, deficiências de crescimento mamário por fatores traumáticos, seqüelas de mastectomia total, parcial (quadrantectomias) ou de tumorectomias, seqüelas de queimaduras, necrose por infecção (por exemplo, em casos de mastite puerperal), etc. Na prática clínica, a grande maioria das reconstruções são realizadas devido a mastectomia (totais ou parciais) por câncer de mama. É um procedimento seguro, cada vez mais adotado devido a capacidade de devolver à mulher o bem estar, a auto estima e a vontade de viver, traduzido pela qualidade de vida recuperada e pela eliminação da sensação de mutilação. A reconstrução mamária pode ser realizada tardiamente (após meses da mastectomia) ou ainda imediatamente (no mesmo tempo cirúrgico da mastectomia), de acordo com o caso.

Várias são as técnicas que podem ser utilizadas:

  • Reconstrução mamária com expansores teciduais, seguido do uso de prótese.
  • Reconstrução mamária com retalhos miocutâneos de músculo grande dorsal e prótese.
  • Reconstrução mamária com retalho miocutâneo de músculos abdominais.
  • Reconstrução mamária com retalhos dermogordurosos de vizinhança e prótese.

A escolha da técnica a ser utilizada vai depender principalmente:

  • Das condições locais de pele e músculos (área que vai receber o expansor ou retalhos).
  • Condições das áreas doadoras (costas, abdome, locais que cederão retalhos).
  • Biótipo (características físicas de quem necessita da cirurgia).
  • Forma e volume da mama oposta.
  • Peso

O pós operatório é normalmente tranqüilo e os fatores limitantes variam de acordo com o porte da cirurgia e o tipo de reconstrução realizada, como por exemplo, nos casos das próteses e expansores, geralmente 01 dia de internação e restrição mínima, e no caso do retalho abdominal, uma grande cirurgia, com 03 dias de internação em média, e uma grande restrição de esforço físico, e boa recuperação em torno de 30 dias. Os riscos são inerentes às condições de cada paciente, e aumentam proporcionalmente ao aumento do porte da cirurgia.

A reconstrução mamária é, em geral, realizada em 3 etapas: As duas últimas etapas são independentes e não obrigatórios, ou seja, vão depender o grau de exigência da paciente e do grau de refinamento da reconstrução. Algumas destas cirurgias são feitas em um só tempo, e em outras 2 ou 3 tempos podem ser necessários.